Pular para o conteúdo principal

AddThis

Robots no Pregão Eletrônico

Robots no Pregão Eletrônico

O uso de programas “robô” por parte de licitante no Pregão Eletrônico viola o princípio da isonomia

Mediante monitoramento, o Tribunal tratou do acompanhamento do Acórdão nº 1647/2010, do Plenário, que versou sobre a utilização de dispositivos de envio automático de lances (robôs) em pregões eletrônicos conduzidos por meio do portal Comprasnet, da Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação (SLTI) do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (MPOG). No Acórdão monitorado, o Tribunal concluiu que, em pregões eletrônicos conduzidos via portal Comprasnet: “a) é possível aos usuários de dispositivos de envio automático de lances (robôs) a remessa de lances em frações de segundo após o lance anterior, o que ocorre durante todo o período de iminência do pregão; b) com a possibilidade de cobrir lances em frações de segundo, o usuário do robô pode ficar à frente do certame na maior parte do tempo, logrando assim probabilidade maior (e real) de ser o licitante com o lance vencedor no momento do encerramento do pregão, que é aleatório; c) ciente dessa probabilidade, que pode chegar a ser maior que 70%, o licitante usuário do robô pode simplesmente cobrir os lances dos concorrentes por alguns reais ou apenas centavos, não representando, portanto, vantagem de cunho econômico para a Administração. Para o relator, os fatos configurariam a inobservância do princípio constitucional da isonomia, visto que “a utilização de software de lançamento automático de lances (robô) confere vantagem competitiva aos fornecedores que detêm a tecnologia em questão sobre os demais licitantes”, sendo que as medidas até então adotadas pela SLTI/MPOG teriam sido insuficientes para impedir o uso de tal ferramenta de envio automático de lances. Além disso, como as novas providências para identificar alternativa mais adequada para conferir isonomia entre os usuários dos robôs e os demais demandariam tempo, e a questão exigiria celeridade, entendeu o relator que MPOG  poderia definir provisoriamente, por instrução complementar e mediante regras adicionais para a inibição ou limitação do uso dos robôs, de maneira a garantir a isonomia entre todos os licitantes, nos termos do art. 31 do Decreto nº 5.450/2005, razão pela qual apresentou voto nesse sentido, bem como por que o Tribunal assinasse o prazo de 60 dias para que a SLTI implementasse mecanismos inibidores do uso de dispositivos de envio automático de lances em pregões eletrônicos conduzidos via portal Comprasnet, no que foi acompanhado pelo Plenário. Acórdão n.º 2601/2011-Plenário, TC-014.474/2011-5, rel. Min. Valmir Campelo, 28.09.2011.

   Como o acesso ao Comprasnet é viabilizado por meio de tokens com certificação digital, acredito que a mera atualização regular dos certificados que são armazenados nele já seriam bastantes para inviabilizar o uso dos tais robots haja vista que, acredito eu, eles devem descodificá-los para acessar o sistema. Não demoraria muito tempo para que tais certificados fossem hackeados novamente e os robots voltassem a acessar o sistema, mas a idéia seria inviabilizar isso por meio de atualizações constantes e regulares dos certificados. Aliás, a gravação de certificado constituído no dia da licitação por todos os participantes direto da internet, baixa e grava no dia para participar, seria mais garantido ainda, pois não haveria tempo suficiente para furar o acesso.
   Desculpe aos doutos na área de TI se falei alguma besteira... sou mero entusiasta. Minha formação é C.Contábeis, mas imagino que poderia ser assim.
    Anderson

Divulgar conteúdo